Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Efeito Crónico

Crio escritos chistosos com relativa regularidade, que conjeturo possuírem nível para antologiar aqui. P.S: Este nível de literacia não é constante.

Nova técnica de meditação

21.11.20 | Luís Marques

   Deseja fazer meditação? Quer ter o poder sobre a mente? Conseguir controlar os pensamentos e reações? Os seus dias de revolta por não conseguir têm os dias contados! Continue a ler e perceba como.

   Nalgum momento da nossa vida, tentamos focar a nossa mente num objeto ou pensamento, com o objetivo de alcançar uma espécie transe mental e emocional. Autopropomo-nos a sentarmo-nos com as pernas cruzadas e olhos semi-serrados por variadíssimas razões, desde a redução da ansiedade e nervos, à prática associada à espiritualidade e autodescobrimento. Começamos a pesquisar por técnicas fáceis e simples, porque antes deparamo-nos com vários exemplos de primos do Gandhi a executarem esta prática durante dias e ficamos desmoralizados relativamente ao sucesso da nossa intenção. Lá encontramos um vídeo de um brasileiro que nos reconforta, dizendo que no início não conseguia e apenas fazia sessões de 5 minutos e que com a persistência conseguiu chegar à meia hora. Implementamos as técnicas que aconselha e rapidamente somos invadidos pelo negativismo, pois parece que só a parte da respiração tira do sério.

   É um facto que aquele ambiente calmo, com música de centro de massagens, só causa pressão para que uma pessoa se concentre em nada ou numa só coisa. Consequentemente, entramos no referido conflito com a própria mente, pois esta não aceita a imposição e acaba-se por desistir. Após desenvolver este raciocínio e definir a ordem dos acontecimentos, porque estava preso no trânsito, tive a brilhante conclusão que todos os dias temos o melhor ambiente para praticar o chamado mindfulness: A condução!

   Sabe aquele indivíduo que estaciona a ocupar 2 lugares? Sabe aquele indivíduo que não dá pisca? Sabe aquele sujeito que realiza a rotunda toda pelo lado direito? Simplesmente não reaja! Quando aquele néscio se meter à sua frente a uma velocidade bastante abaixo àquela que está, não buzine! Quando estiver numa rotunda e aquele ignaro entrar sem lhe dar a prioridade, não insulte a mãe dele! Eu sei… Eu sei que não é fácil ao início – e já pareço o fulano brasileiro – mas acredite, controle-se algumas vezes e a paz de espírito apoderar-se-á de si! Nem vai ter de respirar fundo, nem de fazer bruxismo voluntário! Acredite que comigo resultou! Eu não sou um ator – neste caso “escritor” – pago para dizer isto. Quando chegar ao pedestal desta técnica meditacional verá que até irá ceder a passagem de boa vontade, àquele que se está a meter à sua frente no trânsito, enquanto agradece despropositadamente, porque ambos sabem perfeitamente que este está descaradamente a meter-se. Acredite!

   Claramente que não referi todas as situações. Deixei de parte muitos mais, como por exemplo os “Domingueiros”. No entanto, o princípio é sempre o mesmo! Deixo aqui um conselho bastante exequível e eficaz: Coloque uma música e quando for invadido pela revolta, cante com mais intensidade. Por exemplo, eu aproveitava as músicas da Mariza. Mal me apetecia reagir explosivamente, metia a música rápido e “Ó GENTE DA MINHA TERRA!”. Funcionava, porque agora já não é necessário. Porém, ainda há situações em que recorro a este conselho. Por exemplo, quando um condutor começa a discutir comigo, lá meto a “Amar pelos dois” do Salvador Sobral.

   Para concluir, em caso de dúvida ou persistência dos sintomas consulte o seu médico ou farmacêutico.